Saiba como escolher um provedor de serviços de nuvem

Dois notebooks premium de sendo usando

Em um relatório publicado em 2016, a Gartner previu que, até o ano 2020, as empresas que não utilizam a computação na nuvem (ou “cloud computing”) serão tão raras quanto as que hoje não utilizam Internet. Nos últimos dez anos, esta ferramenta vem se tornando uma das principais tecnologias do mundo e conquistando cada vez mais empresas de todos os segmentos.

 

Depois de decidir fazer a mudança para a computação em nuvem, a próxima etapa será selecionar um provedor de serviços de nuvem, mas, dada a diversidade disponível no mercado, podem surgir algumas dúvidas. Antes de fazer a escolha, devem-se avaliar, em primeiro lugar, a confiabilidade e a capacidade do fornecedor ao qual você planeja confiar os aplicativos e os dados de sua organização. Mas o que mais levar em consideração?

 

Pensando nas dúvidas que acometem muitos gestores e profissionais de TI no momento dessa escolha, neste post apresentamos dicas de como optar por um provedor de serviços de nuvem que mais se adeque à sua empresa. Continue a leitura e faça uma escolha mais consciente.

 

O que levar em conta ao escolher um provedor de serviços de nuvem?

 

O provedor de serviços de nuvem ou um “cloud provider” é aquela empresa que fornece uma plataforma, uma infraestrutura, um aplicativo ou um serviço de armazenamento baseado em nuvem. Essas empresas são remuneradas segundo um modelo de pagamento por uso, ou seja, você, cliente, pagará apenas pela quantidade de serviços de nuvem utilizados, conforme as necessidades do seu negócio.

 

Para responder à pergunta do que deve ser considerado ao escolher uma empresa provedora de cloud computing, podemos raciocinar da seguinte forma: quais as características ideias de um servidor de nuvem? Os primeiros aspectos a serem considerados foram já mencionados: confiabilidade e capacidade técnica.

 

Sendo assim, é muito importante contratar uma empresa com cujos valores você se identifique e na qual confie. Para verificar a reputação do provedor, uma boa ideia é verificar as avaliações em sites específicos ou falar com clientes que já contrataram os serviços que você está considerando contratar.

 

A capacidade técnica relaciona-se à possibilidade de fornecer a quantidade correta de recursos e de pessoal de TI necessários para prestar os serviços prometidos. Existem certificados de capacidade técnica que atestam o conhecimento especializado de cada empresa. Há também auditorias externas, realizadas por terceiros, que podem validar a conformidade dos requisitos técnicos, e relatórios de desempenho, elaborados e emitidos por setores da própria empresa.

 

Agora, vejamos a seguir outras características a serem consideradas no momento de escolher um provedor de serviços de nuvem.

 

Facilidade de implantação, gerenciamento e atualização: Questione a empresa provedora acerca dos mecanismos que ela oferece de modo a facilitar a implantação, o gerenciamento e a atualização dos recursos. Trata-se de uma vantagem para o contratante poder contar com uma tecnologia simplificada, o que garante usabilidade.

 

Infraestrutura de segurança online: Segurança é algo da máxima prioridade nos dias de hoje – afinal, são muitas as ameaças. O provedor deve oferecer uma infraestrutura de segurança robusta para todos os níveis e tipos de serviços de nuvem. Em parte, isso pode ser atestado pela própria capacidade técnica, mas é sempre bom questionar o provedor acerca das funcionalidades oferecidas na área de infraestrutura de segurança. As políticas e os procedimentos nessa área devem contemplar o acesso aos sistemas do cliente e do provedor.

 

Segurança física: Do mesmo modo, deve haver controles garantindo a segurança física da infraestrutura oferecida, incluindo para acesso a hardware co-localizado. Os datacenters devem contar com proteções ambientais para proteger os equipamentos e os dados contra eventos disruptivos. O provedor deve oferecer um plano de continuidade de negócios e de recuperação em caso de desastres.

 

Backup de dados: O provedor deve dispor de políticas e de procedimentos para garantir a integridade dos dados confiados pelo cliente à nuvem contratada.

 

Saúde financeira: A empresa provedora deve manter um registro da sua capacidade financeira e da sua estabilidade econômica, atestando que dispõe de capital suficiente para operar de forma satisfatória em longo prazo. Nenhum cliente quererá contratar um provedor inadimplente, que pode inclusive correr o risco de encerrar atividades.

 

Monitoramento de recursos e gerenciamento de configurações: A empresa deve contar com mecanismos de controle suficientes para acompanhar e monitorar os serviços fornecidos aos clientes, de modo a poder intervir imediatamente em caso de falhas e eventuais problemas de segurança. Assim, o contratante estará assegurado de que dispõe de um serviço adequado, caso venha a enfrentar instabilidade ou eventuais problemas.

 

Gerenciamento de eventos: O provedor deve oferecer um sistema para o gerenciamento de eventos, de forma integrada ao sistema de monitoramento/gerenciamento. Isso permite que, caso surjam problemas, estes possam ser resolvidos com rapidez.

 

Contratos de Nível de Serviço (SLAs): Os provedores devem especificar os serviços oferecidos em um contrato cujas cláusulas estejam de acordo com o que foi requerido pela empresa contratante.  

 

Automatização da contabilização e das cobranças: A automatização desses aspectos garante ao cliente que ele consegue monitorar os recursos que estão sendo usados, uma vez que, como vimos, uma das vantagens dos serviços em nuvem é precisamente a possibilidade de apenas pagar pelo que se usa. O sistema automatizado garante um maior controle dos gastos, evitando quantias exorbitantes ou inesperadas. O provedor também deve oferecer um Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) para a resolução de problemas relacionados a cobranças e, claro, outros aspectos.

 

Interfaces: O ideal é que o provedor use APIs (Application Programming Interfaces) padrão e transformações de dados. Com isso, o contratante poderá compilar com facilidade as conexões com a nuvem.

 

Gerenciamento de alterações: As mudanças não podem ser unilaterais. Você, cliente, deve poder acompanhar as novidades promovidas pelo provedor. Além disso, o provedor deve oferecer documentos e processos formais para que você possa solicitar, registrar, testar e aprovar mudanças. O ideal é que o contrato contemple estes aspectos.

 

Funcionalidades híbridas: Dê preferência aos provedores que fornecem nuvem híbrida (ambiente que associa nuvens públicas e nuvens privadas), mesmo que você, de início, não planeje fazer uso dessa funcionalidade. No fundo, trata-se de mais uma vantagem da qual você pode querer fazer uso no futuro.  

 

Gerenciamento de identidade: Quaisquer mudanças devem ser autorizadas com base em uma autorização prévia. O ideal é que o provedor também ofereça um sistema de gerenciamento de identidade.

 

Como se vê, são inúmeras as características a serem consideradas na hora de contratar o seu provedor de serviços de nuvem. A Sysdata é representante da Azure, provedor de serviços de nuvem que é líder do mercado. Para saber por que ele é o ideal para 95% das maiores empresas do mundo listadas na Fortune 500, entre em contato com conosco e esclareça suas dúvidas.

 

Se você gostou deste post, não deixe de compartilhá-lo em suas redes sociais. Ah, e para não perder as nossas dicas voltadas para o mundo da TI, cadastre-se agora mesmo para e receba a nossa newsletter.

 

 

Sysdata –Tecnologia da Informação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *