Saiba como a Inteligência Artificial (AI) auxilia nos processos da indústria

Mão humana e robótica realizando um comprimento

Há cerca de uns 20 anos, a expressão “inteligência artificial” parecia algo restrito ao universo mirabolante dos filmes de ficção científica – ou pelo menos algo que se projetava para um futuro muito distante. Atualmente, a realidade é outra bem diferente, mesmo que não tenhamos a real percepção de uma mudança radical que continua em curso.

De acordo com um estudo global envolvendo seis países conduzido pela empresa Pega, apenas 33% dos consumidores acreditam que eles já estão usando, direta ou indiretamente, plataformas de Inteligência Artificial (AI). Na verdade, calcula-se que esse número seja bem maior – cerca de 77%.

Outro estudo recente sobre o impacto da tecnologia na economia mundial, desenvolvido pela Accenture em 12 países diferentes, revelou que a AI tem potencial para aumentar a produtividade da força de trabalho em 40% até 2035. Além disso, projeções indicam que, até 2025, o mercado desse tipo de tecnologia movimente quase 60 bilhões – detalhe: em 2016, esse número era de apenas 1.4 bilhão. Trata-se de um aumento exponencial, que reflete bem o potencial da área.

Não é à toa, portanto, que a inteligência artificial e realidades como Internet das coisas, robôs e machine learning têm sido equiparadas ao impacto da primeira revolução industrial lá do séc. XIX. Neste artigo, falamos de AI e mostramos como esse impacto se reflete na prática e no dia a dia das cadeias produtivas. Continue a leitura e conheça a seguir 5 aplicações da inteligência artificial nos processos da indústria.


O que é inteligência artificial?

Primeiro, é importante compreendemos melhor o que é a AI.

Ela pode ser definida como um conjunto de tecnologias que tem por objetivo imitar a inteligência humana, por meio de mecanismos ou de softwares. Especialistas falam no estudo e desenvolvimento de “agentes inteligentes”, ou seja, sistemas que são capazes de compreender o ambiente à sua volta e adotar atitudes que maximizam as chances de adaptação e sucesso.

Um bom exemplo disso são os sistemas que “aprendem” a jogar xadrez. Em 2017, o AlphaZero, da empresa Deep Mind, depois de jogar contra si mesmo durante algumas horas, aprendeu a jogar xadrez em níveis nunca antes alcançados, superando em muito os melhores jogadores humanos e também outros softwares campeões de desempenho.

Embora a ideia de compreender o cérebro humano e imitar seu funcionamento tenha surgido lá nos anos 1950, a verdade é que a AI evoluiu mais recentemente, a partir sobretudo dos anos 2010, graças aos processadores de última geração que analisam e classificam enormes quantidades de informação em frações de segundos.

Como a inteligência artificial auxilia nos processos da indústria?

Vejamos, a seguir, 5 exemplos de aplicações da AI em indústrias muito diversas.

#1 Mais eficiência e produtividade

As fábricas de automóveis modernas podem produzir um carro em apenas um minuto, graças ao uso de robôs e de outros equipamentos inteligentes. Tais tecnologias permitem não apenas alcançar os padrões de qualidade mais exigentes, mas também aumentam a produtividade das linhas.

A automação está concentrada, sobretudo, nas linhas de pintura e soldagem, áreas nas quais a presença humana é praticamente inexistente nos dias de hoje. Com equipamentos mais eficientes, as novas fábricas de carro conseguem reduzir em até 40% os custos com despesas como energia e água a cada automóvel produzido. Reduzem-se também os gastos com problemas de saúde dos funcionários, dado o menor esforço braçal exigido, e obtêm-se um maior controle da produção e mais flexibilidade para interferir nas linhas de produção.

#2  Produção inteligente e conectada

Na chamada “produção inteligente e conectada”, não é apenas um ou outro aspecto da produção que é automatizado, como no exemplo da indústria automobilística referido anteriormente. As fábricas digitais permitem que o controle da produção passa a ser feito, de forma integral, virtualmente.

O pedido de compra é repassado à linha de produção, fabricado, embalado, conferido e preparado para a entrega ao comprador sem qualquer intervenção humana – tudo é acompanhado à distância, em uma sala de controle, na qual analistas (seres humanos mesmo, com carne e osso e tudo mais) monitoram o comportamento das máquinas e desligam-nas ao fim do dia – isso se for o caso, claro, pois robôs podem trabalhar 24 horas.

O ritmo de produção pode ser acelerado, reduzido ou interrompido, caso haja falhas. As vantagens relacionam-se a um óbvio salto em produtividade, menos custos, economia de tempo e maior controle da qualidade.

#3 Mais rapidez nos reparos

Imagine a quantidade de processos e equipamentos envolvidos na produção de uma fábrica. Agora, imagine a manutenção disso tudo. Como simplificar e reduzir os custos de algo tão essencial para indústria?

Com a AI, a montagem e a manutenção de máquinas se tornam mais simples. Em vez de consultar complicados manuais antes de proceder a um reparo, nas fábricas modernas os funcionários apenas abrem um aplicativo, escaneiam um adesivo e, pronto, o sistema dá início a uma demonstração a passo sobre como determinada peça deve ser trocada. Além disso, as animações que vão surgindo na tela vão demonstrando como proceder.

Outra vantagem é um ganho em segurança. Os sistemas inteligentes dão acesso a informações fundamentais sobre o funcionamento da linha de montagem, que permitem agir de forma antecipada para evitar pausas – por exemplo, quando uma máquina deve funcionar, quem é o funcionário responsável por ela, o que deve produzir, quanto deve produzir, quando deve passar por manutenção. Com as soluções de manutenção preditiva, o chão da fábrica torna-se um lugar muito mais seguro, com impactos significativos na produção.


#4 Aceleração dos processos de tomada de decisões

Na agroindústria, a AI garante um processo de tomada de decisões muito mais rápido. Por exemplo, os sistemas inteligentes analisam milhares de dados para dizer aos engenheiros agrônomos, com incrível precisão, qual o melhor momento para o plantio e a colheita e quais os melhores insumos para alimentos processados.

Além disso, há protótipos de máquinas que conseguem desenvolver todo o processo de colheita sem a intervenção humana. Sistemas automáticos têm sido usados para o diagnóstico de doenças e pragas nas plantações, diminuindo em muito os prejuízos associados a esse tipo de problema.

#5 Soluções para todos os setores

Os impactos da AI na indústria atingirão as mais inesperadas áreas de negócios. Vejamos o exemplo de um setor até hoje geralmente dominado por métodos tradicionais e pouco tecnológicos: o da produção de leite.

fazendas brasileiras usando tecnologia de ponta na propriedade, de modo a obter um produto de qualidade superior. Na área de ordenha, robôs operam 24 horas sistemas com pistões de ar comprimido, que tiram todo o leite. Quando nasce um bezerro, eles recebem uma espécie de brinco com um chip, e é o próprio robô que calcula a quantidade de alimento de que o filhote precisa, faz a mistura no liquidificador e libera as mamadeiras, tudo de forma automatizada.

As vacas usam um colar eletrônico, capaz de calcular o tempo mínimo entre uma ordenha e outra. Se o animal tenta adentrar a área da ordenha antes do tempo, a porteira inteligente não se abre. O colar também identifica o cio dos animais apenas com base no padrão com que eles se movimentam. Toda essa tecnologia resulta em um produto melhor e em uma produção muito maior.  

Como vimos, a inteligência artificial impacta diretamente na produtividade e, portanto, no lucro das empresas das mais variadas áreas.  Se gostou deste post, não deixe de compartilhá-lo em suas redes sociais. Ah, e para não perder as nossas dicas voltadas para o mundo da TI, cadastre -se agora mesmo para e receba a nossa newsletter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *